Diante de representantes do setor bancário, da Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), da Central de Recebíveis S.A. (CERC) e do fomento comercial – por meio dos presidentes do SINFAC-SP, Hamilton de Brito Junior, e da ANFAC, Luiz Lemos Leite –, o diretor de informação da SEFAZ-SP, Marcelo Luiz Alves Fernandez, mostrou o atual grau de evolução do projeto que pretende dar novos contornos à utilização da NF-e pelo back office das organizações.


“Estamos numa fase de especificação e é muito importante essa troca de informações, de forma transparente, com todos os segmentos envolvidos no processo”, disse Fernandez, após apresentar em detalhes uma série de aspectos a serem introduzidos no sistema para permitir que se verifique o lastro de uma fatura, com base em um documento fiscal válido, e faça o monitoramento de todos os eventos financeiros dela decorrentes.


O presidente do SINFAC-SP reforçou os pleitos da entidade, relembrando que logo no início das discussões sobre o assunto foi marcada uma posição favorável à criação de mecanismos capazes de, a partir do documento fiscal, coibir a múltipla negociação de um mesmo título.


“Na época, não havia as centrais de registro, mas hoje sabemos que poderão funcionar muito bem, mas terão que criar sistemas de intraoperabilidade entra elas, o que pode tornar viável à empresa da área autorizada pelo Banco Central consignar o gravame no próprio Portal da Nota Fiscal eletrônica, melhor local para dar publicidade e garantir a unicidade de cada fatura emitida”, ponderou Hamilton.


O encontro foi realizado na última quinta-feira (20/09), na sede da Secretaria da Fazenda de São Paulo, onde as partes envolvidas no projeto têm se reunido periodicamente.


Fonte: Reperkut / Sinfacsp / Portal do Fomento